© Pedro Menezes
© Pedro Menezes
© Câmara Municipal do Porto Santo
© Neide Paixão
© Câmara Municipal do Porto Santo
© Élvio Sousa
© Susana Fontinha
© Élvio Sousa
© Francisco Fernandes
© António Aguiar
© Susana Fontinha
© Élvio Sousa
© Pedro Menezes
© Filipe Viveiros
© Élvio Sousa
© Pedro Menezes

Património Natural

 

E tudo começou com a sua formação geológica. O Porto Santo terá crescido como um vulcão-escudo submarino entre o Miocénico inferior e o Miocénico médio (18Ma – 13,5Ma), com escoadas de basaltos, hialoclastitos e palagonitos onde se intercalam lentículas de conglomerados e tufitos, bem como formações calcárias fossilíferas do Miocénico. As últimas erupções terão ocorrido há 10,2Ma. A atividade vulcânica posterior está apenas representada por rochas filonianas básicas, com cerca de 8,3Ma, não se encontrando preservadas extrusões correlativas. As formações mais recentes correspondem a depósitos sedimentares de idade quaternária, tais como paleossolos silto-argilosos, crostas calcárias, eolianitos calcareníticos, depósitos de praia, fluviais e de vertente. Destes merecem destaque os eolianitos que ocorrem na região centro-oeste da ilha e cobrem cerca de 1/3 da superfície.

Em tempos longínquos, à ilha foram chegando diásporas provenientes dos continentes mais próximos, bem como de ilhas e ilhotas vizinhas, arrastadas pelos ventos e correntes marítimas, na generalidade transportadas por aves e insetos. Numa primeira fase a ilha terá sido colonizada por espécies pioneiras de líquenes e briófitos. O desenvolvimento das comunidades pioneiras terá conduzido à criação de condições de modo ao território albergar comunidades de plantas mais complexas, plantas vasculares, algumas produtoras de esporos, outras de sementes e flores, bem como de animais invertebrados e vertebrados. E desde então e ao longo de milhões de anos a evolução vem acontecendo.

Porto Santo (c) Pedro Menezes

 

Na Ilha do Porto Santo e ilhéus circundantes existem ecossistemas terrestres, costeiros e marinhos característicos da Região Biogeográfica da Macaronésia. No ambiente terrestre merecem destaque os testemunhos da flora e fauna de florestas que predominaram na Europa no Terciário. No ambiente costeiro e marinho são de realçar os fósseis que testemunham um período recifal também precursor da formação de dunas.

A biodiversidade terrestre distribui-se por vários ecossistemas, desde o nível do mar até às zonas de maior altitude, na ilha e nos ilhéus, dos ambientes mais naturais até às zonas humanizadas, onde se incluem os sistemas agroflorestais com os típicos muros de croché, muros e muretes de pedra emparelhada, terraços ou poios, canais de irrigação, a que acrescem obras de correção torrencial e represas. Nesta diversidade biológica estão identificados 396 táxones endémicos (310 espécies, 84 subespécies e duas variedades), o equivalente a 24% do total, o que representa uma elevada taxa de endemismos.

Porto Santo (c) Pedro Menezes

 

Quanto à diversidade biológica do meio marinho, contempla 453 táxones, com oito táxones endémicos da Macaronésia.

Porto Santo (c) Pedro Menezes

 

Promotores

logo CMPS           logo DRAPS           logo Folclore       logo aream

Logo SRA        Logo IFCN

Back to Top